Parabéns mestres na sala de aula e na vida!

Este dia pra mim?
Uma das mais importantes datas do calendário, quem dera encontrar que por acaso professoras que comigo tanto tiveram carinho, professora Bete, professora Dirce, professora Beatriz...são todas especiais e moram no meu coração.

Não tem como falar neste dia sem se lembrar o filme "Ao mestre com carinho" , filme ícone na minha época e chorei muito assistindo.

Meu muito obrigada e parabéns a prof +Nilva Moraes Ferreira 
minha colunista querida em educação, hj neste dia especial o texto é dela!
                                  
 
 Sonho (trans) formador

 Desde muito pequena, sonhava em ser professora. Enquanto todas as meninas da minha época tinham preferência pelas casinhas, panelinhas e bonecas; brincando de serem donas de casas e mães, eu pegava um livro e uma régua de madeira e, brincava de escolinha com meus irmãos menores, primos e vizinhos. A lição era caligrafia do nome, “tomar a tabuada” e ditado de palavras.  Era assim que minha mãe nos ensinava, então, seguia os seus passos na íntegra. Naquele tempo, estudar era para poucos, fazia do desejo, um brinquedo sério.          

Hoje, a maioria das crianças não perde tempo brincando de estudar, não sonha em ser mais professor. Pouquíssimas crianças, apenas, nos imitam, chamam-nos de “tias”, e dá para perceber o quanto o nosso valor mudou! Já não somos mais aquele que tem a aura de mestre, viramos parente. Quando comecei a estudar, o educador era muito respeitado. Era considerada a pessoa mais importante, depois dos pais. Ser mestre dava às mulheres e também aos homens um status especial. O acesso era concorridíssimo. A maioria dos docentes eram mulheres, e essas apresentadas ao magistério eram as mais cultas e letradas da cidade. Lembro de minhas queridas professoras primárias do Instituto São José, colégio administrado por freiras franciscanas, onde meninos e meninas não se misturavam, nem estudavam no mesmo horário - no período da manhã, era para o sexo masculino e no período da tarde para o feminino.   

Ali a formação oferecida, tanto às meninas quanto aos meninos ou moças e rapazes, era rígida, e seguia os preceitos católicos; os valores morais eram os mais conservadores da época. “Oferecia-se ainda uma “cultura geral refinada” e procurava nos dar uma “sociabilidade polida”. Adjetivos arcaicos e pouco valorizados para a contemporaneidade. As disciplinas eram ministradas como forma de garantir a cultura geral de todos os alunos e alunas. A matéria de Educação Moral e Cívica tinha como objetivo estimular uma consciência cívica e amor à Pátria. A Bandeira do Brasil era hasteada toda semana ao som do Hino Nacional. Quem sabia a letra toda, “na ponta da língua”, tinha ponto positivo na nota. Todas as datas comemorativas cívicas, folclóricas e outras eram lembradas e comemoradas, em “alto estilo”. Dedicavam grande espaço também para ministrar a disciplina de História – sobretudo a Sagrada e a Antiga recebiam atenção especial. Naquele tempo, não objetivavam garantir a profissionalização da mulher, mas prepará-la para ser boa dona-de-casa, esposa e mãe.

O ensino era baseado na memorização e na escuta. Às vezes, fico a pensar e a comparar, a escola do presente e a do passado, mais distante. O professor não tinha recurso nenhum para ajudá-lo, tinha apenas o quadro, o giz, poucos livros para pesquisa e, com certeza, além de muita boa vontade, alunos ávidos pelo conhecimento.  Lembro-me bem, de que o professor de Geografia não dispunha nem de mapas, fazia apenas um esboço das regiões brasileiras, por exemplo, no quadro, e ia explicando. O professor de História, então, só falava. Às vezes, ficava uma aula toda só falando. E como o método era o mais tradicional, em que só o professor falava, pois, o considerava, o único detentor do saber, os alunos só ouviam, quietos/sentados, sem poderem questionar.

 

Não havia a interação e nem a tecnologia avançada que existe atualmente, mas muitos, ainda, defendem que a escola de antigamente, embora, exigisse muito decoreba, os alunos aprendiam mais. Os mais velhos falam que a quarta série, daquele tempo, equivalia à oitava série atual. Maior parte das pessoas estudava, apenas seis meses, e tinha um letramento invejável, pelo tempo de escola. Sobreviviam muito bem. Falavam e escreviam bem; faziam as quatro operações, que muitos com mais estudos, hoje, não conseguem fazer. Alguns dizem que era melhor a disciplina dos alunos, antes do que agora; e que o respeito, a ética e a postura dos mesmos era completamente diferente.

 

A grande verdade é que a falta desses valores e as questões de indisciplina impedem a boa relação e informação entre docentes e discentes. Há um tempo, não sei se pela cultura da época, pelo estilo de vida mais conservador e autoritário de educar as crianças e jovens, tanto pelos pais quanto pelos professores; os alunos eram mais respeitosos, educados e tolerantes. Não havia tantos conflitos Inter geracionais - discrepâncias culturais, sociais ou econômicas entre gerações mais jovens e gerações mais idosas. A escola chamava mais a atenção dos alunos. Era outro tempo. Tudo os deixava mais “espantados”, como dizia Rubem Alves.

 

É fato também que “estamos passando por mudanças significativas em todos os aspectos de nossa sociedade: religião, família, trabalho, modo de vida, educação e governo. Muitas de nossas instituições sociais, através das quais as pessoas encontravam segurança no passado, não são mais seguras ou presentes como costumavam ser. A educação, como a sociedade e todas suas outras instituições, está experimentando confusão e crises profundas e dolorosas”, segundo Robert E. Alberti & Michael L. Emmons, em Comportamento Assertivo. Um guia de auto expressão. Tradução de Jane Maria Corrêa.  O país vive momentos de extrema violência e insegurança. Não sabemos mais a quem recorrer.  É preciso confiar mais na escola. Dar-lhe mais crédito. Valorizar mais os professores. Devolver-lhes o seu valor de antes.  Só uma instituição bem contemplada pode conduzir melhor os valores necessários à socialização e aprendizagem dos educandos. Principalmente, se todas as outras instituições que compõem essa grande coletividade, nos ajudar. Sabemos que não é fácil melhorar uma sociedade que não é sólida. Segundo Bauman, vive-se hoje uma modernidade “líquida”, não se atendo a um só formato, marcada pela instantaneidade e pela liquidez. Que não mantém a mesma forma, que não é estável. Que está marcada por transformações, desestabilidades, construções e desconstruções e imprevisibilidades. Mas é preciso fazer alguma coisa. É preciso promover a paz.

 

A escola tem parte de uma sociedade dentro da sala de aula. Cada aluno traz dentro de si - sua família, sua comunidade, sua cultura regional, a sua história de vida, e a do lugar onde vive. Assim, como o professor que o acompanha, não leva apenas o conteúdo a ser ensinado - leva sua vida, seu jeito de ser, fazer, ler e compreender o mundo. Todos passam um conjunto de informações. Muitas coisas já foram feitas, mas muitas precisam ser melhoradas. A mudança do currículo parece ser a nova proposta do momento. Segundo Liana Borges, doutora em educação, aposentada da Rede de Ensino de Porto Alegre (RS), citada por Eduardo Pinheiro, em sua participação, no “15º congresso Pensar”, no meu estado, a grade curricular deve estar voltada para a formação integral do ser humano. Com a função também de humanizar, e não apenas, de ensinar as disciplinas de Língua Portuguesa, Matemática e História, por exemplos. É preciso que essa compreensão do currículo escolar chame a responsabilidade da escola para o agir social. “A escolha do currículo pode alterar rumo da sociedade.”

 

Portanto, é grande a responsabilidade que é depositada em nossos ombros. Os tempos mudaram e os encargos aumentaram.  É o “choro” de todo mundo. E muitas mudanças, ainda, precisam ser feitas. E em todas as realizações, os professores, pais e alunos precisam estar presentes. É claro! A educação é uma missão de todos. “É a maior riqueza que podemos deixar para os nossos filhos”.  Cabe a nós todos, torná-la, cada dia, mais atraente e moderna, sem perder seu principal papel: a de mediar conhecimentos, preparando crianças e jovens para a vida, através de um bom ensino e de bons exemplos. Parabéns pelo nosso dia, professor! Nós merecemos!

Beijos
+Nilva Moraes Ferreira 

Comentários
0 Comentários

0 comentários:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...