Alto verão, calor, piscina e as otites

Oi gente!


No alto verão a molecada quer saber mais de estar na piscina e com isto aumenta muito os casos de dor de ouvido.


Fiz uma entrevista sobre o assunto com o Dr. Jamal Azzam médico formado pela USP em 1986, com residência médica no Hospital das Clínicas de São Paulo. O especialista tem de 30 anos de experiência em atendimentos e cirurgias na área de otorrinolaringologia. Dr. Jamal atende crianças, adultos e idosos de ambos os sexos; é membro titular da Associação Brasileira de Otorrinolaringologia e Cirurgia Cérvico-Facial e ministra palestras em diversos congressos a nível nacional e internacional.




Imagem google
MLK :No ponto de vista do médico otorrinolaringologista, qual a melhor idade pra criança começar a praticar  natação?


Dr. Jamal:
Não existe restrição para o início da natação, mesmo em bebês pequenos. Entretanto, é fundamental e obrigatório que antes do início da natação o bebê ou a criança passe em consulta com um médico otorrinolaringologista para exame clínico e visualização do conduto auditivo e membrana do tímpano, bem como a avaliação respiratória nasal (especialmente quanto a questão de rinite alérgica ou rinite do lactente). Uma vez examinada e autorizada, nenhuma restrição ocorrerá.


MLK: Tem algum estudo de incidência em dor de ouvido em bebês,  a famosa dor de ouvido de nadador.


Dr. Jamal:
As otites externas incidem em 3 a 10 % da população geral, sendo que no verão este número aumenta significativamente, chegando até a 20 % do número total das consultas de otorrinolaringologia. A otite do nadador é um tipo de otite externa ocasionada pela exposição prolongada e repetida a água de piscina ou mar.  A pele do canal auditivo fica com microfissuras, permitindo a entrada e proliferação das bactérias.  A dor costuma ser intensa e lancinante.  Pode ocorrer febre e vazamento de pus, além da diminuição drástica da audição.


 MLK:Após uma otite média com pus e sangramento, com um rompimento do tímpano, a criança pode voltar a ouvir normalmente e fato que o tímpano se recupera? Existe alguma possibilidade de alguma perda auditiva nesta situação mesmo que pequena? Qual exame deve ser feito para verificar a audição nestes casos?


Dr. Jamal:
Otite média aguda é uma situação extremamente comum, especialmente em crianças até 1 ano de idade.  Nesta faixa etária estima-se que cerca de até 60 % dos bebês terão ao menos um episódio.  Aos 7 anos de idade cerca de 90 % das crianças já tiveram pelo menos uma otite média aguda. Nos Estados Unidos a otite média aguda é responsável por até 40 % das prescrições de antibióticos orais dos pequeninos. Lá estima-se que são gastos anualmente 5 bilhões de dólares com os custos diretos e indiretos dos tratamentos das otites. Toda otite média tem seu potencial de gravidade e complicações, além dos sintomas que são bastante incomodativos.Quando existe um vazamento de pus em um quadro de otite média, certamente existe uma perfuração da membrana do tímpano a qual permitiu a drenagem.  Isto gera uma perda auditiva momentânea e a massiva maioria dos casos tem uma cicatrização completa, sem sequelas, nem anatômicas, nem auditivas.  Ou seja, a criança volta a escutar normalmente. Entretanto, em alguns casos pode haver complicações que geram perdas auditivas (que podem ser definitivas), como vemos a seguir:


- otite interna (labirintite infecciosa)


- perfuração da membrana do tímpano com otite média crônica simples


- perfuração da membrana do tímpano com otite média crônica supurativa


- perfuração da membrana do tímpano com otite média crônica colesteatomatosa


- otite média adesiva


Portanto, o tratamento e acompanhamento devem ser feitos com médico otorrinolaringologista e assim evitar todas as possíveis complicações graves. O acompanhamento pode ser feito apenas clinicamente, ou seja, através das consultas periódicas, ou através de exames complementares como a audiometria, impedanciometria, BERA etc.  Tudo dependerá da idade do paciente e da indicação precisa do médico.








5 COISAS QUE VOCÊ DEVE SABER SOBRE CRIANÇAS


USANDO PISCINA OU PRAIA NO VERÃO DE ACORDO COM DR. JAMAL AZZAM.


 


1) No verão existe uma incidência extremamente aumentada de otites externas causadas por exposição prolongada e repetida à água de piscina e/ou praia.  A pele do canal do ouvido é muito fina e sensível e a umidade constante leva a microfissuras com consequente infecção.  As dores são intensas e persistentes, muitas vezes até ocasionando secreções de pus. Pode também causar febre e perda parcial de audição;


 


2) O uso de tampões para natação são contraindicados. Ao contrário do que muitos pensam os protetores não impedem a entrada de água nos ouvidos, uma vez que existe pressão para a água entrar, especialmente em mergulhos.  Mas, não existe nenhuma pressão para a água sair, ocorrendo então uma tendência para ficar muito tempo represada dentro do ouvido, predispondo a infecções;


 


3) Muito cuidado ao "quebrar" as ondas do mar com o corpo virado de lado. Essa prática deve ser evitada, uma vez que a intensa pressão da água causada pelo choque da onda pode levar até a uma perfuração da membrana do tímpano;


 


4) Caso a água tenha entrado no ouvido e haja dificuldades para sair, então podem ser adotadas as manobras tradicionais como movimentar levemente a orelha ou até deitar de lado.  Mas nunca utilizar álcool, azeite ou qualquer líquido dentro dos ouvidos sem ter uma ordem médica: isto pode levar a lesões graves. Caso a situação persista, consulte um médico, pois algo mais alarmante pode estar acontecendo, como uma otite em desenvolvimento;


 


5) Cuidado ao mergulhar, pois se sentir que o ouvido não compensou a pressão, deve – se voltar a superfície.  Um simples mergulho em uma piscina comum, com 1,80m de profundidade, já pode causar um trauma na membrana do tímpano pela pressão da água.  Caso sinta dor ou sensação persistente de ouvido tampado, não mergulhe mais.  E se a sensação persistir ao longo do dia, um médico deverá ser consultado.


imagem google


Site: www.jamal.com.br





Divulgação: Rojas Comunicação


(11) 3675-4940 / 3873-6261







Comentários
0 Comentários

0 comentários:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...