Filhos adolescentes, como lidar!


Oi pessoal,


Este é um texto que foi solicitado por diversas mães lá na nossa Fan Page, espero que ajude!

Grande Bj

Elaine





Filhos adolescentes




É normal quando, o filho adolescente passa a ficar mais emotivo ou mais agressivo, mas também é comum a família se incomodar e estranhar esse novo comportamento, já que não é um comportamento habitual. Mas fiquem tranquilos, tudo isso é passageiro.

Porque isso ocorre?

O que poucos sabem, é que na puberdade, o adolescente passa por algumas alterações que ocorrem no cérebro. Tais alterações estão envolvidas com produção de hormônios, mudanças no comportamento, paladar, ações motoras (por isso os jovens tendem a ficar descoordenados durante a adolescência) e mudanças emocionais.

Como lidar?

Sim, você não está acostumado com esse comportamento do seu filho, mas ele também não, essa fase é difícil para os dois. Mas um fato importante é que nesta fase ele está muito carente, então ele precisa de paciência e atenção, mas não se esqueça de impor limites.

Veja algumas dicas de como os pais podem lidar com isso de uma forma saudável, seja para superar ou mesmo evitar os conflitos com filhos adolescentes. Mas se o problema se estender por muito tempo ou fugir ao seu controle, procure a ajuda de um psicólogo.

·         Entenda, seu filho cresceu! 
O primeiro passo para uma boa convivência é entender que o filho cresceu. Nada irrita mais um adolescente do que ser tratado como criança. Compreender isso é um avanço e tanto.



·         Diálogo, a palavra-chave 
Estar aberto a ouvir e entender o ponto de vista dos filhos pode evitar ou minimizar muitos conflitos nessa fase. A falta de diálogo distancia os adolescentes e é uma das principais causas das dores de cabeça dos pais.
Reserve um tempo de seu dia para sentar com seu filho e ouvir o que anda acontecendo com ele. Lembre-se que a adolescência é a fase das descobertas, sendo assim, ele tem que errar e consertar sozinho para que aprenda com o erro. Nunca diga o que fazer, não mande, somente dê o conselho e deixe-o livre para que siga ou não.

  • Fique atento

Às vezes, essa mudança de humor pode não ser somente esta mudança passageira que ocorre na puberdade, mas sim algo mais sério, como a depressão. A depressão atinge mais jovens do que se imagina, então fique atento a isso e dê os devidos cuidados.

  • Dê muita atenção

Isso é o que ele mais busca: alguém que o escute, que o valorize, preste atenção em seus atos, o elogie e o aconselhe. Dar a eles a devida atenção pode fazer com que eles melhorem seus comportamentos, já que, muitas vezes, eles o fazem para se destacar de alguma forma e conseguir atenção.

  • Imponha regras e limites

Mesmo que o humor deles esteja associado à puberdade, não se deve deixar certas coisas passarem. Se ele elevar a voz com você, não é errado castigá-lo, mas atenção: não brigue, respire fundo e converse. E os castigos podem ser como ficar o resto do dia sem computador ou televisão, ou não poder sair no próximo convite dos amigos.

  • Detalhes são importantes

Uma simples virada de olho ou uma resposta grosseira pode ser o fim do bom humor do adolescente, então repare os detalhes de seus próprios atos. Você tem que tentar ter sempre bom humor com eles, assim eles também o terão.





·         Nem tanto ao mar nem tanto à terra 
A maioria dos problemas na relação do pai com os filhos adolescentes, baseia-se numa espécie de luta pelo poder. Agir de maneira autoritária, portanto, não é apropriado para os pais. Mas a permissividade (em que os pais deixam os filhos decidirem e fazerem o que quiserem) também não é o caminho. A receita ideal para estabelecer limite: é a negociação.



·         Liberdade com responsabilidade 
Em vez de proibir seu filho de fazer algo, procure expor sua opinião a respeito e, principalmente, demonstrar as consequências de certos atos e comportamentos, com base na sua experiência. Assim, você se colocará na posição de amigo e fará com que ele reflita sobre suas próprias atitudes.



·         Participe mais do mundo dele 
Mesmo com todas as atribuições que a vida lhe impõe, seja um pai presente. Coloque-se sempre à disposição para conversar ou ajudar seu filho em alguma necessidade ou indecisão que ele apresente. Participar de alguma atividade que ele gosta (esportes, academia, passeios, cinema, shows) é uma excelente maneira de estar próximo. Mostrar interesse pelo universo dele, como os amigos, o ambiente na escola ou o estilo de música preferido, também ajuda.



·         Sejam amigos 
Nunca se coloque em uma posição de superioridade. Mostre a seu filho que você também têm fraquezas, interrogações, insegurança. Ou seja, que você é humano como ele, apenas um pouco mais experiente. Isso ajuda a criar uma relação de confiança e uma amizade muito sólida.

Caso tenham dúvidas, estou à disposição.
Bjs da psicóloga Claudia

Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.