Outras mães, outros moleques ...mais uma convidada especial Mãe Sem Fronteiras


Mãe de moleque e Mãe Sem Fronteiras



Mais uma linda história de como é ser Mãe de moleque, desta vez convidei a Jú  do Mãe Sem Fronteiras no ano passado começamos um amizade virtual para lá de especial que neste mês desvirtualizamos  rsrsrs com um grande abraço na pré estreia do filme "A lenda de Oz", me apaixonei ainda mais pelo moleque dela o Vitinho uma graça de menino, esperto, educado...enfim amei conhecer a família dela toda e agora ela faz aqui o seu relato...
Sendo mãe de menino


Quando eu estava grávida, eu tive um instinto, eu tinha a certeza que estava grávida, mesmo antes de fazer o exame de sangue. Foi uma tranquilidade que tomou conta do meu corpo, uma paz diferente, que me deu a certeza da gravidez.
E logo que tive a confirmação através do exame, eu também já sabia (não sei como), e também já sentia, que seria mãe de um menino.

 A minha sogra dizia que sonhava com menina, mas eu já sabia que era um menino, e no tempo certo, veio a confirmação, é um menino.
É um mundo azul, um novo mundo para mim, mas eu estava feliz e realizada, porque além de saber que seria um menino, eu também desejava. 
Quando eu era criança, quando brincava de bonecas e casinha, queria ter 3 filhas meninas, e uma delas chamaria Carolina...rs
Nós mulheres temos uma tendência maior por desejar menina, até mesmo por nós sermos mulheres, por brincar de boneca, mas enfim, eu gostaria que fosse um menino, meu primeiro filho.

É uma delícia cuidar e brincar com os meninos, porque eu também estou revivendo outras histórias de criança, além de brincar com bonecas...

Eu tenho muitos primos homens, e alguns eram meus vizinhos, e eu sendo criança e querendo brincar, acabava brincando com os meninos, ou seja, brincava de bola, bolinha de gude, pipa, arma, polícia e ladrão, bonecos de Playmobil, etc.
Eu tive uma infância, que brinquei dos dois lados, de brincadeiras de menina e de menino.

Não que exista uma separação de brincadeiras, mas existe um instinto entre os meninos e as meninas, que os levam a brincar e gostar mais de umas brincadeiras, do que de outras.
 


 
E essa infância diversificada que eu tive, me faz se apaixonar cada vez mais, pelos brinquedos e brincadeiras do meu filho.

O meu dia é recheado de brinquedos, brincadeiras e programas de super-heróis, como o Homem-Aranha, Batman, Max Steel, Wolverine, Thor, e por ai vai...rs

Meu filho também adora esportes, principalmente brincar de futebol.

Os meninos são mais brutos, em termos físicos, em comparação as meninas, e isso chamou muito a minha atenção, porque mostra que existe uma diferença nítida entre homens e mulheres, tanto física, como emocional, comportamental...

Não adianta a sociedade querer dizer que é a gente que separa, que é a gente que estimula... Sim, existe uma tendência para direcionar, mas também existe os instintos, os desejos, as vontades...

Não que meninos não possa brincar de boneca e meninas de carrinho ou super-heróis, creio que pode e deve, mas geralmente as crianças usam as brincadeiras opostas como uma opção inserida na brincadeira e não como sendo a principal brincadeira. Por exemplo, as vezes a gente faz comida, pega umas panelas que comprei para fazer a comidinha, e dá para os super-heróis comerem para ficarem mais fortes e ir para a batalha. 
 
Menina brinca mais calma, com suas bonecas, menino já brinca com mais brutalidade com seus bonecos e carrinhos. Mas isso não quer dizer que os meninos são violentos, agressivos, pelo contrário, eles são sensíveis e amorosos também, mas esse jeito mais robusto de ser, é uma característica masculina mesmo. 
 
Dizem que os homens são mais apegados a mãe e as meninas ao pai, não posso dizer e afirmar isso, mas posso afirmar que meu filho é muito carinhoso, amoroso, gosta de beijos e abraços, porque eu faço isso com ele desde sempre. Encho ele de beijos, abraços e carinho, então ele retribui tudo isso para mim e para as pessoas mais próximas também... 
 
Ser mãe de menino, é conhecer e descobrir um universo masculino, que até então a gente não conhecia. Um universo que a gente só conhece a fundo, quando tem filhos homens.

Muitos comportamentos, pensamentos e jeito de ser de um homem, a gente só consegue entender e compreender, quando tem um filho homem, pelo menos comigo tem sido assim...

Ser mãe de menino me trouxe muitas descobertas do universo masculino, me trouxe muitas alegrias, brincadeiras e diversão o tempo todo, porque ser mãe de menino precisa ter muito pique, porque eles não param um minuto...rs

 Eu amo ser mãe de menino, se pudesse escolher, nem sei o que dizer, porque menino é muito prático com os cuidados, não tem muita exigência com detalhes, penteados de cabelos, arrumação nas trocas de roupas...

A única exigência do meu Vitinho, é de vez em quando escolher qual a camiseta de super-herói ele quer usar, ou então quais os bonecos ele vai querer levar em tal passeio... (risos)

 
Bom, eu amo ser mãe de menino, do meu menino... Meu menino é super carinhoso, companheiro, extremamente protetor, cuidadoso e preocupado com os detalhes e cuidados com a casa e família, adora me ajudar em tudo em casa, meu filho adora a minha companhia e do pai para brincar e passear, ou seja, é uma delícia ser mãe de menino. 
Tudo é fácil, prático e descomplicado...

Uma simples bola, pode fazer a alegria de um menino... 
 
Ser mãe de menino, é ser fã de carteirinha do Homem-Aranha, é se tornar a Mary Jane Watson, e fazer parte das histórias e brincadeiras do filho... É ser goleira, lutadora de MMA, é virar uma criança para fazer outra criança feliz... 
 
E assim tem sido meus dias, de mãe sem fronteiras, sendo mãe de menino.

Espero que tenham gostado, porque eu adorei fazer esse post e amo ser mãe de menino.

Beijos
 
 Jú +Juliana Pelizzari Rossini  (Mãe Sem Fronteiras)

Mande sua história também maedemoleque@gmail.com
 

Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.