O autismo e Deus



Oii gente,

Queria tanto que a nossa colunista falasse sobre isso e ela escreveu ....feliz por saber de tudo, desta forma simples e clara e sempre me ensinando a ser uma mãe melhor.
Agradeço a ela tanto qdo escreve, suas palavras de sabedoria e incentivo...espero que gostem.
Bjs



Dia desses estava conversando com meu marido sobre as tantas coisas que já nos falaram sobre o autismo, uma em especial, me fez pensar e vir aqui dividir esses pensamentos com vocês: Deus!

Antes de qualquer coisa quero dizer que para mim Deus não é alguém, nem algo; não é nada que eu possa medir nem pesar. Deus é uma força, uma luz que rege tudo ao nosso redor e fora dele. Cresci numa família tradicionalmente católica e meus filhos somos batizados também no catolicismo, mas aprendi que Deus não está na igreja, Ele está dentro de você, e de mim. Deus se manifesta em tudo o que é feito com o coração, para o bem do outro (uma pessoa, muitas pessoas, os animais, a natureza) e coloca situações em nossa vida para que possamos enxergar isso.

Quando adolescente eu odiava ter que ir à missa e questionava a existência de Deus. Mas o tempo passa e a gente vai conhecendo tantas coisas, tendo contato com tanta gente, tantas sabedorias, tantas espiritualidades e hoje eu busco me conectar com a natureza, buscar minha natureza interior (uma coisa meio hipster, meio ficção-científica, estilo Avatar. Assistiu?!).

Pouco tempo depois do diagnóstico uma tia muito querida veio conversar comigo, disse que em seus estudos das energias e dos espíritos aprendeu que muitas vezes a criança nasce autista porque traz problemas de vidas anteriores e me sugeriu uma consulta espiritual. Nessa consulta foi detectado um bloqueio energético e uma indicação de tratamento, a pessoa que fez o atendimento disse também que nosso moleque nasceu na minha família com a missão de nos trazer união, amor e paz. Resultado: não fizemos tratamento nenhum! Se essa era sua missão nós é que deveríamos nos adequar a essa condição! Olha como Deus age na vida da gente, tá vendo? Ele nos deu uma criança especial porque sabia que só dessa forma ela nos faria ter paz, amor e união em família. Quando falamos publicamente sobre o diagnóstico muitas pessoas da família que não tínhamos muito contato se aproximaram e hoje são presenças constantes.

Quando descobri que estava grávida de Catharina meu marido estava viajando fazia quase 4 meses! Eu e Pedro havíamos mudado de cidade e tudo era muito novo para nós, ele tinha 1 ano e 2 meses e começava a apresentar os primeiros sinais (que eu interpretava como uma forma de reagir diante das inúmeras mudanças). Eu nem acreditava que estava grávida e pensava: “Meus Deus! E agora?!” A gente nem imaginava que aquele bebê era TUDO o que Pedro precisava, e ainda precisa! É através dela que ele aprende a reagir diante das situações, dos lugares e das pessoas, mesmo sendo mais nova. É dedo de Deus na vida da gente!

Não adianta a gente querer usar adjetivos humanos para caracterizar a ação de Deus, porque Ele é muito maior. Mas a gente pode ser o dedo de Deus na vida de alguém, a gente pode fazer o bem. E quando eu digo “fazer o bem” eu não tô falando daquela arrecadação de alimentos que você faz na véspera do natal, eu tô falando de se doar, de sair de si, de doar o seu coração, a sua ideia, a sua palavra, o seu tempo...

Deus não está somente naquele sono tranquilo do bebê, ou naquela conquista que você tanto lutou para conseguir.

Deus está naquele leite que seu filho derramou sem querer durante o café-da-manhã e fez você se atrasar. Esse atraso pode ter sido um livramento, pode ter sido pra te proteger de um acidente, de um bandido ou de um aborrecimento. Já pensou nisso?

Deus está naquele motorista de taxi lerdo que te fez perder o vôo (e você mata ele mentalmente), e depois você vê no noticiário que a aeronave deu pane (aí você agradece a quem?)

Então, gente, é isso. A vida é curta demais pra gente entender tudo com a cabeça, mas dá tempo quando a gente fecha os olhos e sente com o coração. Se você tem um problema, não questione o problema, não questione Deus, apenas pense: “esse problema veio para me ensinar alguma coisa; que coisa é essa?”. Aí você vai começar a perceber que aquilo talvez nem seja um problema! Foi o que eu fiz com o autismo do meu filho. É o que eu me esforço para fazer com tudo o que acontece na minha vida.

Beijos

2 comentários:

  1. Meu irmão é autista descobrimos quando ele tinha 2 anos, hoje ele está com 23 anos, muito esperto, sabe costurar melhor que eu e adora fazer diversos tipos de artesanato.
    Não sabe ler e escrever mas tem uma inteligencia inacreditavel.
    Bjs
    Mari
    Vamosmamaes.com.br

    ResponderExcluir
  2. Que Legal, Mariana!!!
    Não deve ser novidade pra você que os autistas são muito inteligentes e têm uma facilidade incrível para desenvolver habilidades... Já pensou em ensinar seu irmão a ler e escrever? Aposto que ele vai adorar quando conseguir abrir essa porta fantástica que é a alfabetização!
    Desejo tudo de bom pra vocês, viu?!
    E obrigada por nos acompanhar por aqui!
    Um beijo!

    ResponderExcluir

Tecnologia do Blogger.